Pular para o conteúdo principal

Teago Oliveira lança primeiro álbum solo 





Boa Sorte contempla um universo musical menos explorado pelo compositor em sua história como vocalista e guitarrista da Maglore


Foto: Azevedo Lobo

Boa Sorte (Natura Musical) é o nome do primeiro disco de Teago Oliveira, vocalista e guitarrista da Maglore, que estreia projeto solo em 17 de setembro, com distribuição da gravadora Deck. Neste trabalho, Teago envolve suas composições em elementos que criam uma paisagem sonora antiga, como mellotron, cordas e tambores. Busca por uma estética mais percussiva e experimenta texturas que fogem de uma formação convencional de bandas com guitarra, baixo e bateria. Os arranjos, em sua maioria, foram nascendo no momento da gravação, sem que tivessem passado por uma etapa de pré-produção, assim como algumas vozes guias, que acabaram entrando na versão final. Produzido por Leonardo Marques (III e Todas as Bandeiras), na Ilha do Corvo, em Belo Horizonte, Teago foi à Minas Gerais dar cor ao seu lado mais cancionista. A mixagem e masterização são de Gui Jesus.

Sua carreira como artista solo aparece no momento em que seu nome é destaque entre a música contemporânea brasileira. Recentemente, “Motor”, composta por ele e lançada originalmente pela Maglore no disco Vamos pra Rua (2013), foi interpretada tanto por Gal Costa quanto por Pitty, e é faixa seu álbum Matriz (Deck/2019), além de “Não Existe Saudade no Cosmos”, canção inédita gravada por Erasmo Carlos e escolhida como single de seu disco Amor é Isso (2018).

No dia 30 de agosto, Corações em Fúria (Meu Querido Belchior) será lançada como single e videoclipe. A última canção composta para o disco tornou-se o grande anúncio de sua carreira solo. É uma homenagem ao artista cearense, mas sobretudo uma síntese de quem tem o peito aberto e a sensibilidade de traduzir o tumultuoso presente em uma narrativa poética. 

Em consonância com sua própria história, é em Salvador que abrirá os palcos de seu inédito concerto. Dia 3 de outubro apresenta Boa Sorte na sala do coro do Teatro Castro Alves, e na sequência, estreia em São Paulo no dia 18 de outubro, no Auditório Ibirapuera. 

O projeto foi selecionado pelo Natura Musical por meio do edital 2018 e do Estado da Bahia, através do programa Fazcultura, Secretaria de Cultura e Secretaria da Fazenda. “Natura Musical foi criado para valorizar a diversidade e identidade da música brasileira”, diz Fernanda Paiva, gerente de Marketing Institucional da Natura. “Desde 2012, o edital já ofereceu recursos para 38 projetos na Bahia, como Russo Passapusso, Lucas Santtana, OQuadro, Ederaldo Gentil e, agora, o Teago Oliveira”, completa.

Capa Boa Sorte

Créditos da capa
Foto de Azevedo Lobo

Redes Sociais

Sobre Natura Musical
Natura Musical é a principal plataforma de patrocínio da marca Natura. Desde seu lançamento, em 2005, o programa investiu R$ 132 milhões no patrocínio de 418 projetos - entre CDs, DVDs, shows, livros, acervos digitais e filmes. Os trabalhos artísticos renovam o repertório musical do país e são reconhecidos em listas e premiações nacionais e internacionais. Em 2018, o edital do programa selecionou 50 projetos em todo o Brasil, entre artistas, bandas e coletivos, e estabeleceu parcerias com 10 festivais independentes de Norte a Sul do país. A plataforma digital do programa leva conteúdo inédito sobre música e comportamento para mais de meio milhão de seguidores nas redes sociais. Em São Paulo, a Casa Natura Musical se tornou uma vitrine permanente da música brasileira, com cerca de 100 shows para adultos e crianças ao longo de 2018.




Comentários

As mais lidas

Geração Final, no Showlivre Day Contando com seu voto!

A.N.T.Z: Atração no volume 1 da Coletânea do Carnaval Underground

Legado de Sophia: Mundo Invertido (Resenha)